BEM VINDO

Gostaria de deixar claro que o evangelho de Jesus Cristo é para mim motivo de honra,“porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê...”(Rm 1:16). Tenho, porém, a cada dia, mais vergonha do evangelicalismo pregado nos púlpitos de algumas igrejas e vivido por muitos de seus membros.

O espírito mundano tem assolado e impregnado as mentes e corações do povo de Deus, como um mal que se alastra em todos os setores da vida religiosa: doutrina, liturgia, fé e padrões de conduta. A tal ponto que muitos crentes sinceros, mas negligentes quanto ao conhecimento das Escrituras, têm se deixado enredar “pela astúcia de homens que induzem ao erro” (ef 4:14).


ARQUIVOS DO BLOG

sábado, 6 de março de 2010

Parte3. Fruto do Espírito


Assunto: Doutrina do Espírito Santo
Tema: O Fruto do Espírito
Texto Base: Gálatas 5:16-25
Classe: Senhoras e Moças





D. O FRUTO DO ESPÍRITO É: ... LONGANIMIDADE ...

No conceito secular  significa uma virtude que consiste em suportar dores, infortúnios, etc., com resignação. No conceito teológico, no grego – Makrothymia – significa Longanimidade, paciência.


I. É UM ATRIBUTO ESSENCIAL DE DEUS E EXPRESSA SUA BONDADE:
1. Ele suporta o obstinado e o malvado apesar de sua persistente desobediência.
Deus esperou 120 anos para mandar o juízo do Dilúvio.
1 Pedro 3:20  os quais, noutro tempo, foram desobedientes quando a longanimidade de Deus aguardava nos dias de Noé, enquanto se preparava a arca, na qual poucos, a saber, oito pessoas, foram salvos, através da água...

Deus manteve no deserto, por 40 anos, o povo rebelde que saiu do Egito, até que toda aquela geração morresse, sob juízo.
Atos 13:18   e suportou-lhes os maus costumes por cerca de quarenta anos no deserto.

Deus, às vezes, espera um longo tempo, antes de derramar Seu juízo sobre o ímpio.
Sl 145:8  Benigno e misericordioso é o SENHOR, tardio em irar-se e de grande clemência.

2 Pe 2:4   Ora, se Deus não poupou anjos quando pecaram, antes, precipitando-os no inferno, os entregou a abismos de trevas, reservando-os para juízo;


2. Deus é paciente com aqueles a quem quer salvar, seus eleitos.
1 Tm 1:12-16  Sou grato ... me considerou fiel ... a mim, que, noutro tempo, era blasfemo, e perseguidor, e insolente. ... pois o fiz na ignorância, na incredulidade ... me foi concedida misericórdia, para que, em mim, o principal (“PECADOR”),  evidenciasse Jesus Cristo a sua completa longanimidade, e servisse eu de modelo a quantos hão de crer nele para a vida eterna.


II. DENOTA UMA VIRTUDE HUMANA – O PROLONGADO REFREAR DA “IRA” OU DA
“AGITAÇÃO” - É MANTER A IRA LONGE.

1. Deus espera que seus santos eleitos demonstrem em suas vidas a longanimidade, não só como uma característica de caráter íntima, mas sim que transpareça pelo seu modo de vida.

Cl 3:12  Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de ternos afetos de misericórdia, de bondade, de humildade, de mansidão, de longanimidade.

2. Deus espera que seus santos eleitos demonstrem no relacionamento com o próximo uma atitude positiva que sempre levará a pessoa a chegar a um meio-termo.

Efésios 4:1-2  Rogo-vos, pois, eu, o prisioneiro no Senhor, que andeis de modo digno da vocação a que fostes chamados, com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor,

1 Ts 5:14  Exortamo-vos, também, irmãos, a que admoesteis os insubmissos, consoleis os desanimados, ampareis os fracos e sejais longânimos para com todos.

Usaremos como estratégia pedagógica, o contraste entre as personalidades de duas mulheres iracundas que conviveram com dois tipos de homem: um iracundo como ela, trazendo o mal para a família e outro longânimo e temente a Deus, cuja justiça trouxe bênçãos para sua casa.

MULHER DE POTIFAR E A MULHER DE JÓ
“O desejo dos justos tende somente para o bem, ... mas a expectação dos perversos ... redunda em ira.” Provérbios 11:23







MULHER DE POTIFAR
(Gn 39)










1. Potifar
Viu o relacionamento de José com o seu Deus e que o Senhor o fazia prosperar. Confiou tudo que tinha nas mãos de José.Gn 39:3 Vendo Potifar que o SENHOR era com ele eque tudo o que ele fazia o SENHOR prosperava em suas mãos,
Gn 39:6 Potifar tudo o que tinha confiou às mãos de José, de maneira que, tendo-o por mordomo, de nada sabia, além do pão com que se alimentava.
2. José
Era formoso e temente a Deus.
Gn 39:6a  José era formoso de porte e de aparência..
3. Mulher de Potifar
a) Era maligna de coração e infiel ao esposo. Era iracunda e queria vingança. Seu comportamento redundou em ira.Gn 39:7 Aconteceu, depois destas coisas, que a mulher de seu senhor pôs os olhos em José e lhe disse: Deita-te comigo.
Gn 39:16  Conservou ela junto de si as vestes dele, até que seu senhor tornou a casa.
Gn 39:20 Tendo o senhor ouvido as palavras de sua mulher, como lhe tinha dito: Desta maneira me fez o teu servo; então, se lhe acendeu a ira .... E o senhor de José o tomou e o lançou no cárcere ...








MULHER DE JÓ
(Livro de Jó)






1. Jó
Temente a Deus e tinha o testemunho do próprio Deus... Jó sofre uma desgraça.Jó 1:5 Decorrido o turno de dias de seus banquetes, chamava Jó a seus filhos e os santificava ... e oferecia holocaustos ... pois dizia: Talvez tenham pecado os meus filhos e blasfemado contra Deus em seu coração. Assim o fazia Jó continuamente.
Jó 1:8  Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus e que se desvia do mal.
Jó 1:20-21  Jó ... adorou e disse: Nu saí do ventre de minha mãe e nu voltarei; o SENHOR o deu e o SENHOR o tomou; bendito seja o nome do SENHOR!
2. Mulher de Jó
Era maligna de coração, ímpia e iracunda. Seu comportamento não redundou em ira.Jó 2:9   Então, sua mulher lhe disse: Ainda conservas a tua integridade? Amaldiçoa a Deus e morre.
3. “O desejo dos justos tende somente para o bem"
Porque Jó era longânimo -  Ele conservou a sua integridade...
Jó 2:10  Mas ele lhe respondeu: Falas como qualquer doida; temos recebido o bem de Deus e não receberíamos também o mal? Em tudo isto não pecou Jó com os seus lábios...


E. O FRUTO DO ESPÍRITO É: ... BENIGNIDADE ...

No conceito secular,  é uma virtude de quem não é perigoso ou maligno. No conceito teológico, no grego – Chrestotes – refere-se a uma disposição gentil e bondosa para com os outros.


F. O FRUTO DO ESPÍRITO É: ... BONDADE ...

No conceito secular, qualidade de bom, boa ação. No conceito teológico, no grego – agathos – refere-se à bondade ativa, à prática do bem.


I. BOM É TUDO O QUE É DIGNO DE APROVAÇÃO
1. Assim, precisamos de um parâmetro.
Mas, na realidade, não somos livres para decidir por conta própria o que é digno de aprovação ou não.
2. Deus é o parâmetro definitivo do que é bom


II. BONDADE É UM ATRIBUTO MORAL DE DEUS
1. Jesus deixou claro ao dizer:
Lucas 18:19  Respondeu-lhe Jesus: Por que me chamas bom? Ninguém é bom, senão um, que é Deus.
2. Nós também podemos experimentar, pelo Espírito Santo, a bondade de Deus
Salmos 34:8   Oh! Provai e vede que o SENHOR é bom;
Romanos 12:2  E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.


III. TUDO O QUE DEUS FAZ É BOM
1. Tudo o que Deus faz é digno de aprovação
Gn 1:31  Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom. Houve tarde e manhã, o sexto dia.
2. Deus faz somente coisas boas para Seus filhos
Romanos 8:32  Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas?


IV. A BONDADE DE DEUS É DEMONSTRADA SOB TRÊS ASPÉCTOS
1. Misericórdia – É Sua bondade para com aqueles que se encontram aflitos
Efésios 2:12  naquele tempo, estáveis sem Cristo, .... , e estranhos às alianças da promessa, não tendo esperança e sem Deus no mundo.


2. Graça – É Sua bondade para com aqueles que só merecem castigo
Efésios 2:1 Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados


3. Paciência – É Sua bondade para com aqueles que persistem no pecado por certo tempo. Ele suporta o obstinado e o malvado apesar de sua persistente desobediência.
1 João 1:9  Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça.
2 Pedro 3:9  Não retarda o Senhor a sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, ele é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento.”


V. REPRODUZINDO ESSE ATRIBUTO, DEVEMOS TAMBÉM NÓS FAZER O BEM
Rm 12:17  Não torneis a ninguém mal por mal; esforçai-vos por fazer o bem perante todos os homens
Gl 6:10  Por isso, enquanto tivermos oportunidade, façamos o bem a todos, mas principalmente aos da família da fé
3 João 1:11  Amado, não imites o que é mau, senão o que é bom. Aquele que pratica o bem procede de Deus; aquele que pratica o mal jamais viu a Deus. “







A MENINA SERVA DE NAAMÃ
“Escrava ... mas transbordando de benignidade e cheia de frutos de bondade.”
2 Reis 5:1-5







1. Contexto
As tropas do exército da Síria invadem o território Israel, em guerra, saindo vitoriosos. E levam muitos israelitas como escravos. (vv. 2)
2. Naamã
Naamã, comandante do exército do rei da Síria, era grande homem diante do seu senhor e de muito conceito, porque por ele o SENHOR dera vitória à Síria; era ele herói da guerra, (v. 1)
3. A menina escrava
Uma menina dentre os prisioneiros de Israel é levada e passa a servir como escrava à esposa do grande general Naamã. (v. 2)
4. A doença de Naamã
O grande comandante, apesar de orgulhoso, era leproso. (vs. 1 e 12)
5. A menina conhecia o Deus de Israel
E não somente tinha fé em Deus, mas também conhecia o profeta Eliseu. (v. 3)
6. A sua grande fé.
Influenciou a esposa do comandante que aconselhou o esposo a procurar o profeta de Deus. (v. 4)
7. Naamã é curado
Obedece à ordem do profeta e é curado. (v. 14)
8. Naamã se converte ao Senhor
Crê em Deus e passa a servi-lo. (v. 17)
9. As lições que a benignidade da menina nos ensina
Misericórdia – Ao invés de odiar seu raptor, sente pena do seu sofrimento.
Graça – Poderia desejar que Naamã sofresse como castigo por tê-la mantido escrava, mas, ao contrário, sentiu desejo de libertá-lo de tão grande pesar.
Paciência – Mesmo que Naamã fosse um miserável pecador, desejou que ele conhecesse o poder do Deus que a salvara e que poderia salvá-lo também.

Continuaremos o Estudo na Parte.4.
.

É permitida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste Blog, desde 
 que o nome da autora seja mencionado e postado o seu link de origem. 
 Lei n. 9.610, 19/02/98. http://amulhereapalavra.blogspot.com.br/