BEM VINDO

Gostaria de deixar claro que o evangelho de Jesus Cristo é para mim motivo de honra,“porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê...”(Rm 1:16). Tenho, porém, a cada dia, mais vergonha do evangelicalismo pregado nos púlpitos de algumas igrejas e vivido por muitos de seus membros.

O espírito mundano tem assolado e impregnado as mentes e corações do povo de Deus, como um mal que se alastra em todos os setores da vida religiosa: doutrina, liturgia, fé e padrões de conduta. A tal ponto que muitos crentes sinceros, mas negligentes quanto ao conhecimento das Escrituras, têm se deixado enredar “pela astúcia de homens que induzem ao erro” (ef 4:14).


ARQUIVOS DO BLOG

quarta-feira, 12 de maio de 2010

O Patriarca Abraão


Clique AQUI
(Smilebox)











TEXTO BÍBLICO: GÉNESIS 12-22

VISÃO GERAL DE ABRAÃO
Abraão é uma das figuras mais importantes da Bíblia. É chamado "o amigo de Deus" (II Crônicas 20:7, Tiago 2:23) Embora não tivesse filhos, Deus lhe prometeu, "todas as famílias da terra serão abençoadas através de ti" (Gênesis 12:3). Essa aparente contradição possibilitou grandes testes de fé, promessa e realização para Abraão e sua esposa Sara. Através da vida de Abraão, Deus revelou seu plano de escolher e fazer aliança com o seu povo. Abraão confiou em Deus e agora é conhecido como o pai do povo escolhido de Deus. Seu nome era originalmente Abrão, significando "(o) pai exaltado". Seus pais integravam um grupo que adorava a lua na cidade de Ur e o nome antigo de Abraão provavelmente se referia ao deus lua ou a qualquer outro deus pagão, Deus mudou o nome de Abrão para Abraão (Gênesis 17:5) para indicar claramente uma separação dos caminhos pagãos de Abrão. O novo nome de Abrão significava "pai de uma multidão" e era uma afirmação da promessa que Deus lhe havia feito de que teria muitos descendentes. Esta troca de nome foi também uma prova significativa de sua fé em Deus. Àquela época, Abraão estava com 99 anos e sua esposa estéril com 90 anos (11:30; 17:1- 4:17).

A VIDA DE ABRAÃO
A história de Abrão começa em Gênesis 11, onde sua genealogia é lembrada (Gênesis 11:26-32). Terá, seu pai, recebeu o nome de um deus pagão adorado em Ur. Terá teve três filhos: Abrão, Naor e Harã.. Harã, o pai de Ló, morreu antes que a família saísse de Ur. Terá tomou Ló, Abrão e a mulher deste, Sarai, e tirou-os de Ur para irem para Canaã, mas eles se estabeleceram em Harã (11:31). O livro de Atos 7:2-4 afirma que Abrão ouviu o primeiro chamado de Deus enquanto ainda estava em Ur.

UM NOVO LAR
Depois da morte de Terá, Deus disse a Abrão, "Sai da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, e vai para a terra que te mostrarei". Esta ordem foi a base para a "aliança" de Deus com Abrão.
Deus prometeu a Abrão fazê-lo fundador de uma nova nação naquela nova terra. (12:1-3). Abrão, confiando na promessa de Deus, partiu de Harã aos 74 anos. Entrando em Canaã, foi primeiro para Siquém, uma importante cidade de Canaã situada entre o Monte Gerizim e o Monte Eval. Próximo ao carvalho de Moré, um santuário de Canaã, Deus lhe apareceu (Gênesis 12:7) Abrão construiu um altar em Siquém, em seguida mudou-se para as vizinhanças de Betel onde novamente edificou um altar ao Senhor (12:8). Abrão não somente orava nesse altar, mas "invocava o nome do Senhor". Abrão fez uma proclamação, declarando a realidade de Deus nos centros de falsa adoração em Canaã. Mais tarde mudou-se para Hebrom, próximo aos carvalhos de Manre, onde novamente construiu um altar para adorar a Deus.

ABRÃO SE DESANIMA
Apesar de sua obediência, Abrão ainda não havia recebido o filho prometido por Deus. Abrão providenciou que seu servo, Eliezer de Damasco, se tornasse seu hedeiro (Gênesis 15:2). De acordo com os costumes da época, um casal rico e sem filhos poderia adotar um herdeiro para receber sua herança. Quase sempre um escravo, o herdeiro seria responsável pelo sepultamento e luto de seus pais adotivos. Se um filho nascesse após a adoção de um escravo-herdeiro, o filho natural poderia tomar seu lugar. Deus respondeu a Abrão: "Não será esse o teu herdeiro; mas aquele que será gerado de ti, será o teu herdeiro" (15:4) Então Deus fez uma aliança com Abrão, prometendo-lhe um herdeiro cujos descendentes se multiplicariam numa grande nação por toda a terra de Canaã. Novamente Abrão e Sarai tentaram trabalhar sua própria versão dos planos de Deus.Aos 86 anos ele teve um filho com Hagar, criada de Sarai. Essa criança, chamada Ismael, foi uma bênção, mas não era a que Deus prometera. Quando tinha 99 anos, Deus apareceu ao idoso Abrão e reafirmou sua promessa de um filho (Gênesis 17). Deus o instruiu a circuncidar seus descendentes como sinal de que eram povo de Deus (Gênesis 17: 9-14). Ele também trocou os nomes de Abrão e Sarai para Abraão e Sara (17: 5, 15). Abraão riu à idéia de gerar um filho na sua idade: "Então se prostrou Abraão, rosto em terra, e se riu, e disse consigo: A um homem de cem anos há de nascer um filho? Dará à luz Sara com seus noventa anos?" (17:17). O tempo de Deus certamente não coincidia com o calendário de Abraão, mas este continuou a obedecer e aguardar pelos planos Dele.

DEUS REAFIRMA SUA PROMESSA
A destruição de duas cidades, Sodoma e Gomorra, forneceu o cenário para o próximo passo do plano de Deus para Abraão (Gênesis 18-19). O capítulo 18 começa com três indivíduos buscando se refugiar do calor do dia em seu caminho para essas duas cidades. Abraão ofereceu água para se refrescarem e uma refeição a esses misteriosos convidados, que não pareciam ser viajantes comuns. O Anjo do Senhor junto com outros dois anjos apareceu a Abraão (Gênesis 18: 1-2; 19:1). Alguns estudiosos acreditam que o Anjo do Senhor era o próprio Deus (Gênesis 18: 17, 33). Os anjos anunciaram que o filho prometido de Abraão estava próximo. Desta vez, foi Sara que riu ao ouvir a notícia.

NASCE ISAQUE
Enfim, quando Abraão tinha 100 anos e sua mulher 90, "o Senhor fez exatamente o que havia prometido" (Gênesis 21:1). O casal idoso não se podia conter de alegria pelo nascimento do filho prometido. Abraão e Sara riram de incredulidade nos dias da promessa, agora riam e se alegravam na sua riqueza. O bebê, nascido no tempo de Deus, foi chamado Isaque ("ele ri!"). Sara disse "Deus me deu motivo de riso; e todo aquele que ouvir isso, vai rir-se juntamente comigo" (21:6).

A FÉ DE ABRAÃO É TESTADA
O riso sobre o nascimento de Isaque cessou. Em Gênesis 22. Deus ordenou a Abraão sacrificar seu filho Isaque. Depois de 25 anos esperando a promessa de Deus, pode-se imaginar o trauma de tão sofrido teste. Abraão pensou que esse teste significava que não haveria herdeiro e nem nação poderosa. Mas também pensou o que isso significaria se não obedecesse a Deus. Abraão tomou seu filho e foram a um altar preparado para o sacrifício. Quando estava preparado para desferir o golpe, o anjo de Deus o advertiu chamando "Abraão!" A vida de Isaque foi poupada e Abraão de fato se tornaria "pai de uma grande nação". Deus imaginou que Abraão desejava renunciar a se filho. Imaginou o quanto Abraão O amava e desejava obedecê-Lo. O anjo de Deus disse "Sei que temes a Deus, porquanto não me negaste o filho, o teu único filho" (Gênesis 22:12). Abraão viu um carneiro num arbusto próximo. O anjo explicou que haveria um sacrifício naquele dia, mas não seria Isaque o sacrificado. Deus providenciou o carneiro como substituto para Isaque. Abraão deu àquele lugar o nome "o Senhor proverá". Esta história apontava para a provisão de Deus dando o seu único Filho, Jesus Cristo, como sacrifício pelos pecados da humanidade.

Texto extraído da Bíblia Ilúmina
http://www.iluminabrasil.com.br/
.

É permitida a reprodução total ou parcial do conteúdo deste Blog, desde
que o nome da autora seja mencionado e postado o seu link de origem.  
Lei n .9.610,19/02/98.  http://amulhereapalavra.blogspot.com/